quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Dia da consciência negra

Boa tarde caros alunos. Segue o link do trabalho sobre a consciência negra do qual os falei.

https://oglobo.globo.com/rio/cinco-personagens-para-lembrar-dia-nacional-da-consciencia-negra-14601816

https://www.suapesquisa.com/biografias/luther_king.htm

https://www.suapesquisa.com/datascomemorativas/frases_dia_consciencia_negra.htm

Para o texto podem utilizar a fonte Arial e tamanho 36

Caprichem!! E tirem por aqui suas dúvidas.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Bom dia queridos alunos dos colégios Brasílio e São Sebastião!

Segue o trabalho de recuperação sobre o Oriente Médio.

- confeccionar o mapa político do Oriente Médio.
- Elaborar 10 questões (com respostas) sobre o Oriente Médio.
- Realizar uma pesquisa sobre a criação do estado de israel e os conflitos árabes-judeus
- Confeccionar uma linha do tempo com as datas importantes e seus contextos na região
- Confeccionar um texto que aborde a questão geopolítica do petróleo no Oriente Médio.

O trabalho deve ser manuscrito e tem peso 4,0.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Olá queridos alunos dos colégios São Sebastião e Brasílio Vicente de Castro!

Como prometido vou postar o vídeo que mais se destacou entre os vários realizados por vocês. Entretanto, esta tarefa foi difícil, já que muitos foram bem, em um critério ou outro. Então decidi separar por categorias para privilegiar o trabalho de vocês! Todos estão de parabéns, por mais que seu vídeo não esteja aqui. 😉

Este vídeo foi eleito o melhor por atender aos critérios estabelecidos, pelos cenários utilizados, entrevistas, ambientação, roteiro, figurinos e edição. Parabéns ao grupo!



Este vídeo foi eleito com a entrevista mais interessante, espontânea e por apresentar conteúdo! Parabéns ao grupo e à Professora!


Este vídeo foi escolhido por apresentar os melhores dados expostos. Parabéns ao grupo e ao Professor!


Este vídeo foi escolhido por apresentar a entrevista com os dados e informações muito claras e didáticas. Parabéns ao grupo e à Professora!


Este vídeo foi escolhido por ser o mais criativo, com um bom roteiro e filmagens. Parabéns ao grupo!


Este vídeo foi escolhido pela espontaneidade dos alunos e por apresentar o melhor uso do espaço da escola. Parabéns ao grupo!


Este vídeo foi escolhido por apresentar o melhor cenário, criatividade e roteiro. Parabéns aos alunos!


Este vídeo foi escolhido por apresentar a melhor entrevista entre alunos. Parabéns ao grupo!


Este vídeo foi escolhido por apresentar um excelente roteiro, naturalidade e edição. Parabéns aos alunos!!



Parabéns a todos que participaram e espero bons frutos no bimestre vindouro!

Agradeço a participação dos professores que dedicaram seu tempo e atenção aos alunos.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Texto para trabalho em sala

Oriente Médio

A região que compreende o Oriente Médio está localizada na porção oeste do continente asiático, conhecida como Ásia ocidental. Possui extensão territorial de mais de 6,8 milhões de quilômetros quadrados, com população estimada de 260 milhões de habitantes. É composta por 15 países: Afeganistão, Arábia Saudita, Bahrain, Catar, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Irã, Iraque, Israel, Jordânia, Kuwait, Líbano, Omã, Síria, Turquia.
Clima:
O clima do Oriente Médio é árido e semiárido, o que proporciona o predomínio de uma paisagem vegetal marcada pela presença de espécies xerófilas (nas áreas de clima árido), ou de estepes e pradarias (nas áreas de clima semiárido). Apenas pequenas faixas de terra, na porção litorânea, apresentam climas um pouco mais úmidos, onde há presença de formações vegetais arbustivas.
Atividades Econômicas:
O petróleo é o principal produto responsável pela economia dos países do Oriente Médio. Nessa região está localizada a maior concentração mundial dessa fonte energética (aproximadamente 65% de todo o petróleo mundial). Essa grande quantidade de petróleo, aliada a fatores econômicos e políticos, criou as condições para a formação, em 1960, de um dos mais importantes cartéis do mundo atual, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).
Outra atividade econômica importante no Oriente Médio é a agropecuária. Por ser realizada dominantemente de forma tradicional, com uso de pouca tecnologia e mecanização, essa atividade incorpora cerca de 40% da população economicamente ativa. O predomínio de climas áridos e semiáridos na região é bastante prejudicial para o desenvolvimento dessa atividade econômica.
A atividade industrial no Oriente Médio apresenta pouca expressividade. Nos países petrolíferos, há a existência de refinarias e petroquímicas. Outras indústrias se relacionam aos setores mais tradicionais, como o têxtil e o alimentício.
O turismo é outra atividade que vem apresentando importância para alguns países do Oriente Médio, a exemplo de Israel e Turquia (que recebem cerca de 2,5 milhões de turistas por ano).
Religiões:
No Oriente Médio, aproximadamente 238 milhões de pessoas (cerca de 92% da população) são muçulmanas. A maioria pertence às seitas sunita e xiita (sugeridas logo após a morte do profeta Maomé, em 632 d.C.). Há grupos menores de mulçumanos, como os drusos e os alauitas.
A região abriga ainda cerca de 13 milhões de cristãos, muitos de igrejas árabes, como a copta ou a maronita, que estão entre as mais antigas do cristianismo. Além disso, também vivem no Oriente Médio cerca de 6 milhões de judeus, quase todos em Israel. A migração desses deu-se em ondas, originárias primeiro da Europa e, depois, de todo o mundo. Por isso, no Estado judeu encontram-se inúmeros grupos étnicos cujas culturas, tradições, orientações políticas e práticas religiosas variam muito e são livremente expressas.

O Oriente Médio e a escassez de água
O Oriente Médio é um subcontinente da Ásia que possui clima árido, por isso não há muitos recursos hídricos (água subterrânea, rios e lagos) na região.
Os países que fazem parte do Oriente Médio são ricos em petróleo, no entanto, são pobres em água. Essas nações enfrentam sérios problemas relacionados à escassez de água.
Diversos países, como a Arábia Saudita e as pequenas nações do Golfo Pérsico, fazem dessalinização da água do mar, mesmo assim são grandes compradores de água mineral.
Na região do Oriente Médio, os países que detêm em seu território nascentes de água, rios e aquíferos, são privilegiados por possuir esse riquíssimo e raro recurso.
Diante da escassez de água, surgem conflitos entre países para definir quem domina as pouquíssimas bacias hidrográficas e águas subterrâneas. Um exemplo de disputa por água existe entre Israel, Líbano, Síria e Jordânia, que, por serem países fronteiriços, disputam o domínio da Bacia do rio Jordão.
No ano de 1967, Israel invadiu a Síria, que abriga em seu território a colina de Golã, onde está a nascente do rio Jordão. Esse rio é praticamente a única fonte de água para Israel e Jordânia.
O Oriente Médio, nos últimos anos, apresentou um crescimento populacional, o que elevou o consumo de água e reduziu a quantidade da mesma disponível nos mananciais, fato que tem contribuído para agravar ainda mais os focos de conflito entre os países.
Outro foco de conflito acontece nas proximidades dos rios Tigre e Eufrates. Ambos nascem em território turco e o escoamento de suas águas segue rumo ao Golfo Pérsico; abastecendo a Síria e o Iraque.
Diante disso, esses países temem o controle turco sobre as nascentes dos rios; pois a Turquia pode represar suas águas para realização de irrigação, construção de usinas hidrelétrica ou para qualquer outro fim. Dessa forma, o abastecimento da Síria e do Iraque ficaria comprometido.

Atividade industrial no Oriente Médio
A economia do Oriente Médio está extremamente ligada à produção de petróleo, uma vez que tal subcontinente abriga a maior jazida do minério no mundo.
Em contrapartida, o setor industrial não detém o mesmo destaque, salvo Israel. Só agora que a maioria dos países do Oriente Médio está iniciando um processo efetivo de industrialização. De maneira generalizada, a produção industrial na região gira em torno do seguimento têxtil (confecção de tapetes, como por exemplo, os persas), além das indústrias alimentícias.
A maioria dos parques industriais presentes dentro do Oriente Médio encontra-se nas principais cidades, tais como Ancara (capital da Turquia), Damasco (Síria), Bagdá (Iraque) e Teerã (Irã).
Todo recurso gerado pela produção petrolífera tem sido empregado no desenvolvimento tecnológico das refinarias e indústrias petroquímicas em países como Irã, Iraque e Arábia Saudita.
Em Israel, apesar das adversidades naturais de ordem climática, o país possui um relativo desenvolvimento industrial, atividade responsável por 30% do PIB (Produto Interno Bruto). O parque industrial desse país é localizado, sobretudo, nas cidades de Telavive e Haifa, as quais detêm cerca de 25% do PEA (População Economicamente Ativa) nacional. Encontra-se também, indústrias tradicionais (alimentícias e têxteis), além de indústrias que atuam na lapidação de diamantes, na produção de equipamento bélico e eletroeletrônicos.

Questões sobre a população do Oriente Médio
Durante séculos, grande parte do Oriente Médio esteve sob o controle político do Império Otomano, que esteve centrado em Istambul, localizada na atual Turquia. Desde a invasão francesa do Egito em 1798, os países europeus começaram a intervir na política do Oriente Médio. O controle colonial europeu atingiu seu auge ao final da Primeira Guerra Mundial, quando o Império Otomano foi desmembrado e entregue à Grã-Bretanha e França.
Alguns Estados do Oriente Médio (Irã, Egito, Turquia, Iraque e Arábia Saudita) conseguiram a independência da Grã-Bretanha e da França entre as décadas de 1920 e 1930. O restante obteve a independência entre 1944 e 1971. O traçado de suas fronteiras não correspondeu ao ideal de nação ou muito menos aos anseios das sociedades em questão, algo que também foi comum no continente africano. Após a independência, com raras exceções, monarcas e ditadores governaram o Oriente Médio. Como em todas as zonas pós-coloniais, o Oriente Médio começou a enfrentar dois desafios: a criação de estabilidade política e o desenvolvimento econômico.
A estabilidade política da região tem sido afetada por fatores internos e externos. Internamente, golpes de Estado, guerras civis, revoluções e disputas por fronteiras contribuíram para a instabilidade política. Externamente, a importância atribuída ao Oriente Médio por potências estrangeiras (Estados Unidos e União Soviética por boa parte do século XX, e alguns Estados europeus) também tem servido como um fator complicador na vida política da região.
Entre as décadas de 1950 e 1970, ocorreu na região uma tentativa de formar uma integração regional a partir de valores e identidade cultural a fim de fortalecer a Liga Árabe, instituição criada após a Segunda Guerra Mundial, e promover o Pan-arabismo. O ex-presidente egípcio Gabal Abdal Nasser foi o principal idealizador desse projeto. Em 1956, o Egito nacionalizou o Canal de Suez, importante passagem entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho, com a reação imediata de França, Inglaterra e Israel, que invadiram o Egito. Devido a acordos estabelecidos pela URSS e Estados Unidos, os países invasores recuaram e o Egito saiu fortalecido, aumentando os ideais do Pan-arabismo. Após a morte de Nasser em 1970 e da Guerra do Yom Kippur, em 1973, o Pan-arabismo foi lentamente atenuado e acabou desacreditado pelas suas populações.
Durante os anos 1990, alguns Estados do Oriente Médio foram movendo-se lentamente para uma maior democratização. Já bem estabelecida em Israel e Turquia, a democracia começou a mostrar sinais de enraizamento em muitos - mas não em todos - os países do Oriente Médio. Este movimento em direção à democracia é uma resposta às demandas dos cidadãos para uma maior participação na vida política de seus países e as esperanças dos dirigentes políticos de ganhar legitimidade, tanto no seu Estado quanto no exterior.
Os fatores responsáveis pela falta de desenvolvimento econômico na região estão relacionados ao petróleo: as rendas desse recurso estão concentradas no poder de empresas transnacionais que atuam na região e no controle estatal, em geral integrado a oligarquias representadas por príncipes, monarcas e sheiks. Além disso, as divisas do petróleo acabam sendo investidas na própria cadeia produtiva do petróleo (prospecção, extração, comércio, refinamento, produção de derivados etc.), não ocorrendo uma diversificação da estrutura industrial a partir dos ganhos com a venda do petróleo bruto. Cabe ressaltar também as flutuações no valor do barril do petróleo que impedem um planejamento econômico equilibrado e de longo prazo, ainda mais nesses países que dependem exclusivamente da sua extração.
Ainda em 1960, as nações árabes definiram a formação de um cartel que envolvia os grandes produtores mundiais de petróleo, em sua maioria no Oriente Médio: a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo). A criação do grupo tinha como maior objetivo reduzir a influência das corporações ocidentais que controlavam a extração e produção de petróleo, que naquele momento eram conhecidas como “as sete irmãs” (atualmente correspondendo às empresas ExxonMobil, ChevronTexaco, Shell e BP). Com os avanços de Israel em direção às áreas palestinas, a OPEP aumentou os valores do barril de petróleo como forma de protesto à falta de iniciativa do mundo ocidental em procurar uma resolução para o conflito. Em 1973, isso resultou no 1º Choque do Petróleo, mas os interesses da OPEP acabaram se restringindo a razões econômicas e, após esse episódio, não foi possível apontar o cartel como defensor dos interesses dos povos árabes, pois mesmo em alguns desses países que detêm as reservas de petróleo, as desigualdades sociais são acentuadas.

As religiões no Oriente Médio
O Oriente Médio possui uma população de aproximadamente 260 milhões de habitantes com enorme diversidade étnica e cultural entre os habitantes, fator responsável pelos conflitos naquela região. Um dos elementos diversificados é a religião, com crenças diferentes e disputa por territórios considerados sagrados.
As três principais religiões monoteístas, ou seja, crença na existência de um único Deus, surgiram no Oriente Médio: O Islamismo, o Cristianismo e o Judaísmo.
A religião com maior número de seguidores é o Islamismo (90% da população). É uma religião monoteísta, fundamentada nos ensinamentos de Mohammed, ou Muhammad, chamado pelos ocidentais de Maomé. Após a morte de Maomé, a religião islâmica sofreu ramificações, ocorrendo divisão em diversas vertentes com características distintas. Os segmentos do Islamismo que possuem maior quantidade de adeptos são a dos sunitas (maioria) e a dos xiitas. Ao contrário do que muitos pensam, o Islamismo não é dividido apenas em sunitas e xiitas, existem vários outros grupos menores, entre eles estão os drusos e os alauítas.
A segunda maior religião em números de seguidores no Oriente Médio é o Cristianismo. A região abriga cerca 12 milhões de cristãos, muitos de igrejas árabes, como a Copta ou a Maronita, que estão entre as mais antigas do Cristianismo. Os países com a maior quantidade de cristãos são a Síria e o Líbano.
Além disso, também vivem no Oriente Médio mais de 6,5 milhões de Judeus, quase todos em Israel. O território que atualmente corresponde à Palestina já foi habitado por judeus há cerca de quatro mil anos, no entanto, foram expulsos durante o Império Romano. Os judeus retornaram para o Oriente Médio através de fluxos migratórios, que se fortaleceram com a construção do Estado de Israel, em 1948. Esse fato é um dos principais responsáveis pelos constantes conflitos entre judeus e palestinos, pois Israel está anexando territórios habitados por palestinos.
A cidade de Jerusalém é disputada pelas três grandes religiões. É um local sagrado para o Islamismo, o Cristianismo e o Judaísmo. Confira a importância simbólica de Jerusalém para essas religiões:
- Islamismo: Domo da Rocha, em Jerusalém, é o terceiro local mais importante no Islamismo, de onde Maomé subiu aos céus.
- Cristianismo: Igreja do Santo Sepulcro, localizada em Jerusalém, assinala o local tradicional da crucificação, do enterro e da ressurreição de Jesus Cristo.
- Judaísmo: Para os judeus, o Muro das Lamentações, parte do Segundo Templo, localizado na cidade de Jerusalém, é o local mais sagrado de todos.

Fonte: profvalterbatista.blogspot.com.br/2013/08/oriente-medio

quarta-feira, 23 de agosto de 2017


Bom dia alunos dos 9 anos do Colégio Brasílio e São Sebastião!!

Segue abaixo um roteiro explicativo sobre o trabalho do bimestre.

Como elaborar meu telejornal escolar


Organizando a produção:· A equipe deve decidir o nome do telejornal
· A classe dividida em grupos onde os alunos devem ter papéis definidos: uma dupla de alunos deve ficar responsável pela escrita do texto; outra, pela elaboração do cenário (visual do jornal) e uma, ainda, deve cuidar do figurino (visual do apresentador) e etc.
· O grupo escolhe os temas a serem trabalhados, por exemplo: sociedade, política, cultura e economia. A dupla responsável pela escrita do texto seleciona o assunto dentro do tema, para produzir uma matéria.

· Para organizar a produção, os grupos elaboram:1. Um roteiro de trabalho, colocando as funções e responsabilidades de cada aluno no grupo, para eles não se perderem no decorrer do trabalho.
2. Um roteiro de como será apresentado o jornal, indicando a seqüência da apresentação das notícias.
3. Um esboço de como será o cenário utilizado no jornal, listando os materiais necessários.
4. Perguntas pertinentes, caso haja uma entrevista. (veja sugestão de Roteiro de Entrevista no final da atividade).
5. Quais informações são necessárias para formular uma notícia. (veja Roteiro para Elaborar uma Notícia no final da atividade).

Produzindo as matérias· Os responsáveis pela produção do texto devem ir a campo para colher informações que dêem subsídio a sua matéria. Enquanto isso, a dupla responsável pelo cenário providencia o material necessário (mesa, cadeira, cartolina com o logotipo do jornal, o plano de fundo, a música de fundo, a música de entrada etc.), assim como os que assumiram a produção do figurino.
· Cada dupla produz as matérias no processador de texto.
·Finalizada a parte escrita do jornal, o grupo deve escolher os alunos para serem os apresentadores das matérias elaboradas.

Gravando...· O grupo então ajuda o apresentador a ensaiar, contando o tempo de leitura das matérias, de modo que a apresentação não fique longa e cansativa. Também pode dar dicas ao apresentador, quanto à entonação e dicção.
· Para preparar a gravação do jornal, os responsáveis pelo visual do(a) apresentador(a) (roupa, cabelo, maquiagem) e pelo cenário devem estar com tudo finalizado.
· No Windows Movie Maker, os grupos devem trabalhar com seus vídeos. Terminado a edição, devem salvar como arquivo de video com uma indicação de que o vídeo está finalizado (ex: Brasil - pronto)
Dicas para produção do telejornal na escola· Decidir o nome do telejornal e emissora a partir de uma votação realizada pela classe.
· Os textos das notícias para o telejornal devem ser curtos e objetivos.
· O apresentador deve ter domínio da leitura e boa dicção.
· Cada assunto deverá ter cerca de 20 segundos para que a apresentação não fique cansativa.
· Se a equipe decidir, poderá haver mais que um cenário.
A edição do vídeo deve ser realizada pelo grupo, em um só computador. Se a equipe decidir, poderá colocar propagandas entre os blocos de notícias, mas deve ficar atento ao tempo utilizado.
Apresentação da produção
A equipe apresenta a sua parte do telejornal para a turma com a ajuda do projetor multimídia ou video DVD.
Roteiro de entrevista
  1. Nome do entrevistado:
  2. Nome do evento ou tema da entrevista:
  3. Como surgiu a idéia de criação do evento ou tema da entrevista:
  4. Tempo de duração:
  5. Como é possível participar ou contribuir para...
  6. Qual é a faixa etária (caso esta resposta não esteja contida na resposta anterior)
  7. Em que local acontece (quadra, sala de aula, pátio, área externa etc.)
  8. Quais os resultados esperados
Roteiro para formular a notícia
  1. Mencionar o fato (O que aconteceu?)
  2. Onde aconteceu?
  3. Quando?
  4. Como?
  5. Quais os envolvidos?
  6. Qual o porquê do ocorrido?
Fonte: http://vejahistoria1.blogspot.com.br/2009/10/